segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O desafio da mobilidade sustentável: pedágio urbano

Na cidade de São Paulo, 34% da população andam a pé em distâncias que superam 15 minutos de caminhada. A maioria por não ter dinheiro para o transporte público. Outros 30% usam ônibus, e apenas uma minoria (28%) o carro.

A classe média é contra o pedágio urbano por não se sentir responsável pelos congestionamentos. Por que os ônibus são demorados, lotados e ineficientes? Porque ficam muito tempo parados nos congestionamentos.

Então, quem quiser ficar no congestionamento, piorando a vida na cidade, deve financiar o transporte não motorizado. Congestionamento precisa ser caracterizado como infração. Londres e Singapura adotaram a taxa de congestionamento, controversa no início. Mas, à medida que uma estrutura de transporte não motorizado foi sendo implantada na cidade, muitos migraram para meios alternativos de locomoção.

3 comentários:

  1. jorge luis bogdanov kussarev6 de novembro de 2012 05:02

    Porque eu tenho que deixar o carro em casa se nenhum transporte coletivo tem : regularidade,conforto,agilidade ?
    O condutor do coletivo invarialvelmente é malcriado,sem educação,jamais respeita quem entra em sua frente no trânsito e normalmente desrespeita regras de trânsito e de convivência pacífica. Me dê apenas UMA razão para deixar o carro em casa. E aliás,moro em SP e trabalho em SBC e uso transporte coletivo diariamente,contra minha vontade.

    ResponderExcluir
  2. jorge luis bogdanov kussarev6 de novembro de 2012 05:05

    Esqueci de um detalhe insignificante e desnecessário... Quem pensa nestas propostas estapafúrdias NÃO SABE o que é andar de ônibus ou trem,fica em um gabinete com ar condicionado o dia todo e não sai de casa cedo... Não tem idéia do que é usar transporte coletivo a não ser quando para seu carro ao lado de um ônibus lotado.

    ResponderExcluir
  3. menos carros => agilidade dos onibus = regularidade nos horarios => mais usuarios => mais onibus => conforto aumentado.

    simples assim...
    uma politica de aumento da frota de onibus com dificuldade para uso de carro pessoal (pedagio urbano, impostos mais altos, proibição de estacionamento na rua) daqui pouco tempo mostra-se mais eficiente do que baixar IPI e construir avenida/viaduto/trincheira/minhocão pra 28% da população.

    ResponderExcluir